Sexo no chuveiro

Cheguei em casa bem tarde depois da faculdade, entrei caladinha e fui para o meu quarto como sempre, mas naquela noite joguei a mochila no canto, esqueci celular e televisão, passei direto pro banheiro, era uma noite quente e eu estava realmente um caco, então segui meu ritual para me acalmar, nem acendi a luz, só acendi um mini abajur, aqueles negócios fofinhos que põe direto na tomada, entrei debaixo do chuveiro, tentei me concentrar na água correndo pelo meu corpo, não gosto de água quente, mas hoje eu precisava e minutos depois eu não estava mais sozinha.

Pedro entrou no banheiro junto comigo, me abraçou forte e só ficou em silêncio. Ele era bom nisso, me conhecia bem, deitei em seu peito quente, a pele dele era sempre macia, os braços fortes me envolviam e me apertavam forte, um abraço de urso, o cheiro dele era inebriante, e ali, naquele momento, esqueci os problemas, um beijo aconteceu e isso bastava pra pegarmos fogo, em segundos ou talvez minutos eu estava ofegante enquanto segurava sua cabeça entre minhas pernas, quase gozando em sua língua ágil que dançava em meu clitóris, dois dedos penetraram em mim e eu sucumbi aquele orgasmo, mordendo os lábios, apertando os dedos dos pés, salivando e ofegante. Ele levantou, me encarou e meu rosto estava pegando fogo, queria mais dele, sentir o gosto dele, esperei aprovação e ela não veio.

Ele me puxou pra outro beijo quente, me colocou no colo com rapidez e uma brutalidade que me deixava com borboletas no estômago, me preparei pra estocada que viria, mordi os lábios e já podia sentir ele me invadindo só de imaginar, ele deixou só a cabecinha na entrada e eu gemi em desespero, respirei mais fundo, deitei em seu peito, minha respiração não se normalizava, o tesão era tão grande que doia. Ele pincelava seu pau gostoso em mim e só colocava a cabecinha de novo, e quase mordi ele de tanto desejo.

Joguei o rosto pra trás, tentei respirar e ele entrou todo em mim quase em câmera lenta, sentir aquilo era mágico, estonteante, quando chegou ao fundo apertei o rosto contra o ombro dele, prendi a respiração por alguns segundos e voltei a beija-lo, era quente, molhado, eu tinha sede da boca dele, sem querer um gemidinho tímido, abafado escapou, me segurei com força e me encostei na parede, meus cabelos molhados e desgrenhados colavam na parede, no meu corpo e no dele, mordi os meus próprios lábios e observei ele entrar e sair de mim, suas mãos passeavam pelo meu corpo e ele mamava meus seios como um bebê faminto. Podia sentir a água caindo entre nossos corpos, o calor e as mãos fortes e cada estocada eu era lançada contra a parede me arrancando suspiros, afundei meu rosto no peito dele e apenas me entreguei aquela sensação deliciosa de ter ele dentro de mim.

Depois de um tempo ele me colocou sentada em seu colo, encostado na parede e a água morna ainda caia sobre nós, cavalguei com vontade, e é impossível descrever em palavras a sensação frenética de ter ele dentro de mim, de observar cada centímetro sair e entrar, eu estava absurdamente molhada, eu queria chegar lá, senti meu corpo inteiro se arrepiar, a pele dele vermelha por conta do calor e água quente, os lábios carnudos entre abertos, ele intercalava beijos e mordidas, se encostava na parede de novo e entre os beijos quentes ele ficava ofegante, meu corpo gritava por um segundo orgasmo, afundei o rosto no pescoço dele, o tesão era tanto que fui as lágrimas quando gozei e senti ele gozar dentro de mim. Tivemos dois minutos de descanso, ficamos ali agarrados, eu trêmula e cansada, vermelha como pimenta, quando finalmente recobrei a força nas pernas, levantei! Ele sorriu enquanto banhavamos, ele me abraçou por trás, beijando meu ombro e meu rosto.

– Hoje tu judiou um pouquinho! – falei bem baixinho e dei um passo pra debaixo do chuveiro.

Eu não ouvia e nem estava olhando, mas sabia que ele estava sorrindo.

– Gosto da tua urgência. – ele sussurrou em meu ouvido.

Me enrolei na toalha, ele me pegou no colo, me levou pra cama, se despediu com um beijo.

Nós estávamos juntos a alguns meses, e ele era como uma droga criada especialmente pra mim, um toque, um beijo e eu estava pronta pra ele. Eu estava ferrada e sabia disso. Eu simplesmente dormi, cansada, mas recomposta

Deixe um comentário

CAPTCHA



Online porn video at mobile phone


meu primo me comeucontos eróticos atuaiscontos eroticsconto rroticocontos eroticos gozando dentrohistorias de incestocontos eróticos meninascontos de incesto realmeu travesticontos eroticos minha tiacomi minha primacontos eróticos professorcontos eroticos primocontos eroticos com novinharelatos eroticosconto erotico categoriacontos incestuososcasa dos contos eróticoscontos adultoscontos eróticos últimocontos pornsexo com cunhadacontos incestviuva gostosaler contos eróticoscontos eróticosgaymeu conto eroticocontos eroticos minha tiarelatos eroticocontos gay casa dos contoscontos gays reaiscontos de cornosmeu marido cornocontos eroticos sexocontos eroticos casaiscontos eroicoscontos eróticonovinhos na punhetacontos eroticos no ônibuscontos de sexo reaissexo contoscontos eroticos de mulheres casadascontos eróticos incestoconto erotivocontos gay recentesporno contoscomi minha tia contossites de contos eroticoscontos encoxadacontos xxxcontos eróticos de traiçãocontos eroticos mae e filhacomendo minha sogracontos de incesto mae e filhocontos eroticos de cornoconto erroticocontos eroticos professorcontos eróticos picantescontos crossdresscontos de cornoscontos heroticos incestoconto eroticocontos eroticos bem gostosocontos eroticos onibuscontos eroticos empregadacontoerotico incestocontos eroticos para mulheresconto porno gaycontos eróticos sogrocontos erótico gayconto sexcontos eroticos cunhadocontos eroticos com a sogracontos eroticozcontos eroticozcontos gay primeira vezconto porncontos eroticos entre irmaosconto erotico praiacontos eroticos selvagemconto/erotico