Deu para o bombeiro no quartel

Olá, hoje venho contar minha primeira experiência com um militar. Sou branquinha, cabelos longos e castanhos. Tenho 22 anos, 1,58 de altura e 53kg. Possuo coxas grossas, bundinha redondinha e seios muito fartos.
Sempre fui tarada em homens de farda. Só de ver um policial novinho minha xaninha se contrai e fico imaginando horrores.
Nas férias de escola dos meus sobrinhos, decidi levá-los para conhecer o batalhão do corpo de bombeiros que ficava próximo a minha casa. Eles adoravam ver os caminhões de bombeiros e eu de ver quem os dirigia.
Chegando ao batalhão, dois bombeiros vieram nos recepcionar. Um tenente de cabelos grisalhos e o soldado Bruno. Ele era branquinho, alto, tinha braços tão fortes que pareciam querer saltar pelo uniforme.


Minha bucetinha já ficou úmida e piscando por aquele homem.
Durante a visita, trocava olhares com ele e sempre que possível, tocava em seu braço.
Em um determinado momento do passeio, o tenente colocou as crianças no caminhão de bombeiros para que eles acionassem as sirenes. Eu e o Soldado Bruno ficamos do lado de fora conversando. Eu não conseguia prestar atenção na nossa conversa, somente conseguia imaginar o tamanho de sua rola entrando em mim.
– A senhorita está bem? – ele disse segurando em meu braço. – ficou pálida.
– Deve ser a pressão, está muito quente. – disse me apoiando nele, mas não estava sentindo nada de anormal.
– vem comigo. Vou te dar algo para melhorar. – disse com um sorriso safado no rosto.
O acompanhei até a uma sala do batalhão. Nessa sala havia uma mesa com muitos papéis, uma máquina de café e um bebedouro.

Encostei na mesa enquanto ele me dava um copo de água e ligava o ventilador de parede. Tomei a água e propositalmente deixei cair um pouco de água na altura dos meus seios. Mais do que pressa ele pegou lenços descartáveis e colocou sobre meu peito.
– obrigada! Sou muito desastrada, né? – digo pondo minha mão em cima da dele, fazendo-o pressionar meus seios que já estavam com os biquinhos durinhos.
Ele sorriu safado e percorreu os olhos por todo meu corpo. Coloquei sua mão por dentro do meu sutiã e ele apertou com força meus peitos.

O soldado colocou meus peitos para fora da blusa e começou a chupar e mordiscar levemente os biquinhos. Minha bucetinha já estava toda meladinha quando ele passou os dedos por cima do meu shorts.
– nossa, safada… Já está toda molhadinha pra mim?
Ele me colocou de pé, abaixou meus shorts e minha calcinha e passou a língua no meu grelinho. Estremeci de tesão e me apoiei ficando de quatro pra ele me chupar gostoso.
– geme pra mim, gostosa. Geme pro seu bombeiro. – ouvir aquilo me fez explodir de tesão e gozei gostoso na boca dele. Minhas pernas estavam tão bambas que era difícil ficar em pé.

Me ajoelhei e coloquei para fora aquele pauzao lantejante dele. O pau dele era muito grande, um dos maiores que eu já havia visto. Por mais que eu quisesse colocar inteiro na boca, não conseguia.
Ele segurava em meu cabelo e enfiava o pau na minha boca, até ouvir que estava engasgando. Seu pau gostoso latejava em minha boca e seu gemido rouco estava me deixando muito louca de vontade de sentar naquele pau.
Quando ele estava prestes a gozar, me colocou de quatro apoiada na mesa e começou a me chupar novamente. Minha xaninha estava tão molhada que escorria pela perna e ele se deliciava com meu grelinho.
Quando eu avisei que ia gozar, ele enfiou seu pau em mim, me fazendo soltar um gemido de surpresa. Seu pau era tão grande e grosso que me preenchia inteira.

– como voce é apertadinha. Goza pra mim sua vadia, goza pro seu bombeiro. – ele repetia enquanto puxava meu cabelo e batia na minha bunda.
Minha bucetinha estava ardendo com a força que aquele bombeiro me comia. Ele estocava cada vez mais forte e mais fundo.
– eu vou gozar. Quero gozar na sua boca.
Ajoelhei e o chupei até que aquele leitinho preencheu minha boca.
– isso putinha, engole tudo. Engole essa porra.
Engoli todo aquele leitinho delicioso e o beijei.
Depois de recompostos, voltamos até a garagem onde meus sobrinhos me esperavam para irmos embora.
Esse dia foi somente o primeiro de muitos em que dei naquele batalhão.

Deixe um comentário

CAPTCHA



Online porn video at mobile phone


contos erotico incestocontos eróticos irmãcontos gay casa dos contoscontos encoxadacontos eroticos gay 2018conto sexconto eróticoscontos eroticos veridicoscontos eroticos reaiscomendo um cuzinhocontos eeoticoscontos eroticos traiçaocontos eroticos no trabalhocontos eroticos de insestogay contos eroticoscontos eróticos verídicoscontos insestocontos eroticos esposacontos eroticos gay primoscontos eroticos incertoscontos eroticos insestorelatos eroticoscontos eeoticoscontos eroticos punhetacobtos eróticoscontos eroticos troca de casaiscomendo a madrastaconto insestocontos de incestcontos eroticos gay primeira vezcontos gays cnnsexo gay contoscontos reais eroticoscontos gay primeira vezcontos porno incestocontos eroticos de meninas novinhassexo contos eroticoscontos eroticos viadinhoconto erotico policialconto sexcontos eróticos sogrocontos de sexo com a empregadacontos analcontos eróticos ônibuscontos eroticos de encoxadascomi minha tia contocontis eroticosler contos eroticoscontos eroticos primascontos eroticos novosincesto contosconto eróticaconto erotico crentecontos pornôscontos heroticos reaiscontos eroticos pai e filhacontos eroticocontos eróticos traiçãoconto erotico genrocontos eroticos gay primoscontos eróticos pai e filhacontos eroticos encestoscontoseróticocontos eroticos padrastoconto eróticodei pro meu cunhadocontos de incestohistorias eróticoscontos eróticos recentesmeu primeiro boquetecontos eroticos de travestiscontos eróticos onlineconos eroticoscontos eroticos de incestocontos gay onlinecontos sacanagemconto erotico categoriacontos sobrinhoporno contos eroticoscontos pornográficoscontos eróticos putinhacontos eróticos perdendo a virgindadeconti eroticocontos eroticos mulher do amigoporno contos eroticoscontos eroticos vovocontos incestocontos eróticos de incestoscontos heróticoscontos sobrinhocontos eroticos gay incestoconto eróticoscontos eroticos no metrocontos eróticos sogra